Stephanie: princesa ou lap dancer?

A tempestade que ontem se abateu sobre Portugal tinha um bonito nome: Stephanie.

É, sem sombra de dúvida, um nome simpático, doce, amoroso, para uma borrasca tão forte.

À primeira vista, parece mesmo contraditório dar um nome tão mignon e queridinho a uma ventania daquelas, mas a verdade é que alguém o deu.

Em quem estariam a pensar os senhores da metereologia quando deram o nome à tempestade?

A primeira pessoa que me veio à cabeça foi a óbvia: a princesa Stephanie do Mónaco.

Se foi a pensar nela que eles batizaram a tempestade, já não há assim uma contradição tão grande entre o nome e o fenómeno atmosférico.

Quando era mais nova, a princesa Stephanie era um fenómeno atmosférico violento, estava sempre a provocar grandes dramas e escândalos, e a afligir a mãe e o pai. 

Então com os homens, aquilo era ventania da grossa! Um verdadeiro tornado de machos à volta dela, era o que provocava a nossa Stephanie.

Portanto, se foi essa a razão do nome, até que não está mal pensado.

Ontem, no Estádio da Luz, voou lã de vidro, o que me parece um material apropriado, muito Stephaniesco.

Por um lado, é lã, quentinha, amorosa; por outro, é de vidro, cortante e perigosa. Assim a modos que me lembra a Stephanie do Mónaco, pois então!

 

Mas, também pode ter sido a pensar noutro tipo de mulheres que foi dado o nome à intempérie. 

Embora eu não seja propriamente um frequentador habitual, a verdade é que das vezes que fui a casas de lap dance, havia sempre uma "Stephanie"!

Juro que não estou a inventar, havia mesmo. 

Aliás, as dançarinas de lap dance têm todas nomes desse tipo: Pamela, Erika, Janine, e claro, Stephanie.

Parece que oiço a voz do speaker da casa, a anunciá-la: "E agora em palco, vinda do Canadá, a inimitável Stephanie!"

Ontem, foi nisso que pensei quando ouvia as notícias na televisão. 

A Stephanie, a nossa tempestade, parecia uma lap dancer aos volteios no seu varão, e depois passeando pelo palco, cada vez mais próxima de nós.

E a malta em grande entusiasmo, a correr para ela, para ver as suas habilidades.

Aquela gente que vai para os paredões mirar o mar e a sua violência fá-lo com a alegria dos rapazes jovens que assistem a um show de lap dance!

Ah, olha para aquilo, que lindo, nunca vi nada assim!

Ai Stephanie, pára com isso que dás cabo de mim! 

O que vale é que foi só uma noite...

 

publicado por Domingos Amaral às 10:47 | link do post