Portugal: o Inverno está a chegar (Winter is coming)?

"A Guerra dos Tronos", uma grande série televisiva, decorre perante um medo permanente, um receio de algo apocalíptico, que está prestes a chegar.

"Winter is coming", dizem os personagens, sem nos explicar bem que Inverno é esse. Mas nós sabemos que é mau, muito mau, mesmo sinistro.

Foi disto que me lembrei nos últimos dias. Para os apoiantes da coligação PAF, e para muitos outros, o Inverno está a chegar. "Winter is coming!"

 

Pela primeira vez na história da democracia portuguesa, existe uma possibilidade real do PS formar um governo apoiado pelo Bloco de Esquerda e pela CDU comunista.

O estado de choque do centro-direita é tremendo, o pânico generalizado, o ódio a António Costa é fino e requintado.

 

Leio certos comentadores e fico pasmado.

Rui Ramos, Maria de Fátima Bonifácio, José Manuel Fernandes, Henrique Raposo e muitos mais usam palavras duríssimas, insultos, acusações, destilando um fervor alucinado contra António Costa e a restante tralha de esquerda.

Para eles, é óbvio: "Winter is coming"! Vem aí o inverno, vem aí a desgraça, se Portugal cair nas mãos da esquerda, o país vai ser tomado de assalto por uma turba ululante e barbuda!

 

De repente, estamos em 1975 outra vez, não no Verão Quente, mas no Inverno Frio.

"Winter is coming!" Preparem-se, tenham medo, muito medo!

Já tiraram o dinheiro do país, já colocaram as pratas em lugar seguro, já marcaram o colégio no estrangeiro para os filhos?

Eu pasmo, mas há mesmo quem escreva que vai emigrar e levar os filhos para lugar melhor, um luxo óbvio, só acessível a alguns.

 

Que giro, ser refugiado político em Paris ou Madrid!

Com a mesma coragem que muitas das pessoas de direita tiveram em 74 e 75, pirando-se rapidamente para o Brasil, muitos na direita já avisam que se vão por ao fresco daqui, não querem ser governados "pelos comunas"! 

Ó meu Deus, mas estarão bons da cabeça? Que pânico é esse, que medo tão profundo assalta as vossas psiques?

 

Não seria melhor manter a cabeça fria, a calma e a tranquilidade?

O pânico, sempre ouvi dizer, é mau conselheiro, e o descontrole emocional é a razão de muito disparate.

Respirem fundo, e pensem um bocadinho, antes de mostrarem à exaustão tanto choque e pavor. Rapaziada, já não estamos em 75, os comunistas já não comem criancinhas ao pequeno-almoço, ok?

 

Aconteça o que acontecer, é bom lembrar a todos que Portugal é uma democracia parlamentar, e portanto todo e qualquer governo que emane da Assembleia da República é legítimo.

Um governo formado pelo PS, o BE e a CDU, pode ser bizarro, pode ser perigoso, pode ser um erro grave, pode ser isso tudo e mais alguma coisa, mas se é formado numa Assembleia eleita, é legítimo.

Insultar António Costa, gritar "golpe de Estado", acenar com o fantasma da Grécia, ou berrar que se vai emigrar, são reações de pânico e fúria, e não servem para nada.

 

Há dias escrevi aqui que o melhor para Portugal seria um governo de bloco central, formado pela coligação PAF e pelo PS, semelhante ao que existe na Alemanha.

Continuo a pensar o mesmo, e se essa é a única forma da coligação se manter no poder, acho que a malta de direita devia acalmar um bocado.

Insultar o Costa, e dizer que isto vai para o buraco, não ajuda nada a que se negoceie, com tranquilidade, um acordo possível.

 

No entanto, se esse acordo não for possível, o que tenciona o centro-direita fazer?

Os seus comentadores mais acérrimos vão pegar em armas, iniciar a guerra civil, invadir as ruas e as repartições, com uma fúria imensa?

Não acham, malta de direita, que estão a ter perigosos instintos de esquerda?

Esse apelo à revolta, ao ódio, à luta, à emigração, não é um bocado "esquerdalho"?

 

Pela minha parte, estou muito tranquilo. Não tenho nada a certeza que uma aliança de esquerda vá acontecer, pelo menos para já. 

Mas, se ela chegar, cá estaremos para lidar com o assunto, sem receios ou medos infantis.

Não me parece que Portugal vá voltar a 1975 em poucos dias, nem que os barbudos vão desatar a ocupar herdades, a sanear pessoas, a invadir empresas, ou a prender empresários.

Isto não é a "Guerra dos Tronos", rapaziada! 

 

PS: Sabem quantos países na Europa são governados por um partido que não foi o mais votado nas eleições? Sete! Suécia, Finlândia, Noruega, Dinamarca, Bélgica, Luxemburgo e Letónia.  

 

publicado por Domingos Amaral às 10:58 | link do post