Detroit pode, mas Portugal não

A cidade de Detroit, nos Estados Unidos da América, foi à falência.

Com menos população, com menos receitas fiscais, com muita despesa extra e desnecessária e muita corrupção, teve um fim desagradável, o estoiro das contas.

Mas, e essa é a novidade, quando na América uma cidade ou um estado, ou uma grande empresa, vão à falência, há leis especiais que entram de imediato em funcionamento.

Para as empresas, é o famoso capítulo 11. Para as cidades, como Detroit, é o capítulo 9.

Ambos protegem as instituições contra a voracidade dos credores, permitindo-lhes executarem planos de recuperação financeira que passam, eis a palavra mágica, pela "reestruturação da dívida".

Eis como, em países civilizados, se resolvem problemas difíceis.

Porém, na Europa não há disto.

Não há um capítulo 11 ou um capítulo 9 para países que estão aflitos.

Ninguém aceita o princípio da "reestruturação das dívidas", ninguém aceita que os credores percam dinheiro.

Sobretudo porque esses credores são alemães.

É uma infelicidade para a Europa. Enquanto na América as coisas se resolvem depressa e com soluções inteligentes, por cá andamos aos solavancos, afundados numa austeridade estúpida que nada resolve.

A Europa continua mergulhada na armadilha da dívida.

Já a América avança.

publicado por Domingos Amaral às 11:41 | link do post