Prefere ter dívidas ou ter desempregados?

A pergunta que dá o título a este post é a pergunta que devemos todos fazer sobre Portugal e sobre a Europa.

O que é mais grave para um país ou para a Europa, ter dívidas ou ter desempregados?

Desde Setembro de 2009, data em que a senhora Merkel venceu as eleições na Alemanha, a resposta da Europa foi simples: não é aceitável ter dívidas!

Os países mais fortes, com a Alemanha à cabeça, foram peremptórios: não pagavam as dívidas dos países mais pobres! 

Quem se endiviou demais, que pague pelos seus erros, foi esta a máxima exemplar da Europa, com Merkel a ser a cara desta direção geral. 

Depois, um pouco por todo o Sul da Europa, os "merkelianos" tomaram conta do assunto, e começaram a impôr doses cavalares de austeridade.

Parecia simples: se tens dívidas a mais, deixa de gastar, corta nas despesas e paga o que deves!

Simples, mas estúpido. Aos "merkelianos", apaixonados pela austeridade, escapou um pequeno mas muito importante detalhe. É que um país não é um família, e uma União Europeia não é uma quintarola qualquer.

Ao começarem a praticar austeridade todos ao mesmo tempo, primeiro na Europa do Sul e depois mesmo no norte, na Holanda, na França, na Finlândia e até na Alemanha, os "merkelianos" esqueceram os efeitos "sistémicos" que isso iria trazer a todos. 

Parecia muito fácil dar ordens austeras à Grécia, impôr a Portugal e à Irlanda umas "troikas" exigentes. A coisa ia ao sítio de certeza.

Porém, só com o passar do tempo os "merkelianos" descobriram que massacrando as pequenas partes, um dia o todo ia também sofrer.

E foi isso que aconteceu. A recessão, em vez de ser localizada, expandiu-se como um vírus. A austeridade, tão bela e virtuosa, transformou-se numa ceifeira de empregos e empresas. Os Estados mirraram, algemados pela sra Merkel e pelos seus papagaios locais, como Gaspar e Passos.

Quatro anos depois, a Europa descobre o paradoxo que o economista Irving Fisher descobriu há mais de 80 anos: se todos cortarem nos gastos, nos salários e nas despesas ao mesmo tempo, todos ficam mais pobres!

Olha-se hoje para a Europa, do Atlântico até aos fiordes, de Paris a Atenas, e o que se vê é um mar de desempregados, um lago recessivo onde ninguém faz mais do que boiar, tentando não naufragar.

É este o legado da Sra Merkel e dos seus seguidores, é esta a herança da austeridade. Em pânico com as dívidas, os europeus geraram um monstruoso e arrepiante desemprego. É isso que preferem? Preferem ter desempregados aos magotes em vez de dívidas?

Sempre aqui escrevi que Merkel foi a pior coisa que aconteceu à Europa em muitas décadas. Uma mulher lenta de raciocínio, uma pata choca com uma moral de merceeira, sem qualquer visão lúcida sobre o destino comum da Europa.

Só peço a Deus, todos os dias, que os alemães corram com ela. Caso contrário, o desastre não vai parar. No seu cérebro de foca mal amestrada, a sra Merkel nunca irá perceber que é muito mais grave para a Europa ter desempregados do que ter dívidas. 

 

publicado por Domingos Amaral às 12:33 | link do post