Vítor Gaspar devia demitir-se e já!

As notícias desta última semana são arrasadoras para o Governo, mas sobretudo para Vítor Gaspar, o grande mentor da estratégia da austeridade que este Governo seguiu desde que tomou posse, há quase dois anos.

A recessão agravou-se, o desemprego subiu para níveis espantosos, a economia está em coma, a dívida pública não pára de subir, e o deficit do Estado não atinge as metas a que Gaspar se propôs.

Ou seja, o Governo falhou, e falhou em praticamente tudo, não apenas em alguns indicadores. Gaspar parece um daqueles malabaristas que lança bolas ao ar, e depois as deixa cair todas, sem conseguir apanhar nenhuma.

Como aqui muitas vezes escrevi ao longo do último ano, a estratégia da austeridade era brutal e não iria resultar. Para quem conheça um pouco de história económica, de Portugal e do Mundo, sabe que a grande maioria destes "ajustamentos" falharam sempre, e tiveram péssimas consequências para os países que os colocaram em prática.

Quando um país se vê numa situação de excesso de dívida pública, a forma de resolver esse problema não é praticar austeridade à bruta e o mais depressa possível, como Gaspar decidiu. Sobrecarregar um país com excesso de impostos e cortes nas despesas, nos salários e nas pensões, provoca uma enorme recessão, envia centenas de milhares de pessoas para o desemprego, e não resolve o problema da dívida.

Pelo contrário. Como muitos já estão agora a perceber, quanto mais Portugal paga em juros, mais deve, pois a dívida pública não pára de subir em percentagem do PIB! O país foi colocado numa situação terrível, numa espiral depressiva, e entrou na chamada "armadilha da deflação e da dívida", quando existe em simultâneo uma recessão profunda e um aumento da dívida. 

Há responsáveis por isto. É claro que, em grande parte, a responsabilidade é sobretudo da Europa e da Alemanha. Foram os alemães da nefasta sra Merkel que impuseram esta estratégia suicida de "austeridade" aos países do Sul da Europa. Mas, não foram só eles.

Em Portugal, o principal responsável por esta estratégia "kamikaze" foi o ministro Vítor Gaspar. Foi ele que convenceu Passos Coelho (que obviamente não percebe patavina de economia) mas também o resto do Governo, que esta ideia iria funcionar.

Ora, quase dois anos depois, os resultados do fanatismo de Gaspar estão à vista. O país está de rastos, a economia está aniquilada em muitas actividades, e ninguém vê uma saída para este enorme buraco negro em que nos encontramos. Gaspar meteu-nos na Boca do Inferno!

É por isso que ele tem de se ir embora. Passos Coelho, se quiser continuar mais tempo, tem de dispensar o actual ministro das Finanças, e chamar outro para o seu lugar, que possa inverter a situação. Gaspar falhou, e falhou rotundamente. É talvez o pior ministro das Finanças que Portugal teve desde o 25 de Abril, aquele que mais se enganou na sua estratégia.

O seu tempo chegou ao fim. Se Passos Coelho se vir livre de Gaspar, talvez consiga sobreviver até 2015. Eu não sou dos que acham que o Governo se deve demitir. Foi eleito, tem legitimidade, e deve prosseguir. Mas, deve mudar de ministro das Finanças, e já!

 

publicado por Domingos Amaral às 12:07 | link do post