Aconteceu numa festa de Carnaval

Ele tinha pensado muito sobre o assunto. Deveria ir vestido de Flash Gordon ou de Indiana Jones? O primeiro estava um bocado fora de moda, o que era bom pois assim não haveria outros mascarados iguais. Já Homens-Aranha, Batmans e Darth Vaders iria haver aos montes, estão sempre na moda.

Indiana Jones era uma opção forte, devido ao chicote. Dá sempre jeito um chicote numa festa de Carnaval, embora no caso dos homens fosse necessário alguma prudência, pois as pessoas admitem que uma mulher chicoteie homens, mas o contrário nem sempre é bem aceite. 

De repente, lembrou-se: podia ir de Christian Grey, o famoso herói das "50 Sombras de Grey"! Assim estava na moda e podia levar chicote! Aliás, podia mesmo chicotear, pois ao herói literário do ano tudo era permitido, incluindo dar palmadas no rabo das senhoras. Que melhor máscara de Carnaval do que essa?

O pior foi que, quando chegou à festa, descobriu que existiam imensos Christian Greys como ele. Havia quase tantos como mascarados de animais. Se somasse os elefantes com os gorilas, os macacos e os Rei Leões, todos juntos eram um pouco mais que Christian Greys, mas andavam lá perto. 

No meio da festa, viu passar um Flash Gordon, impecável no seu fato encarnado e amarelo, e arrependeu-se por querer estar tanto na moda. Foi a correr ao bar, tentar afogar as mágoas em vodka, mas foi ao balcão que tudo mudou, quando viu a Pequena Sereia. Tinha um sorriso radioso, escamas no corpo todo e parecia perdida naquele oceano de fantasias compradas em lojas chinesas.

Então, ele aproximou-se e disse-lhe:

- Sempre quis conhecer uma Sereia.

Ela arqueou as sobrancelhas, surpreendida:

- Desculpa?

Ele explicou que ela estava vestida de Pequena Sereia, era esse o filme a que ele se referia. Ela desatou a rir e explicou que não estava de Pequena Sereia, mas sim de Dolly, a amiga do Nemo. 

Ele corrigiu-a:

- Dory.

Ela piscou os olhos:

- Desculpa?

Ele explicou:

- Chamas-te Dory e não Dolly.

Ela riu-se muito e disse:

- Isso...Sabes, é que eu sou muito esquecida, uns segundos depois já não me lembro do que disse...

Ele percebeu finalmente que ela estava a brincar com ele, o que era um bom sinal, e então perguntou:

- E eu, de que é que estou vestido?

Ela olhou-o muito rapidamente e perguntou:

- Trouxeste o avião? 

Ele ficou por momentos sem perceber e então ela revirou os olhos e explicou:

- O que distingue o Christian Grey dos outros é o avião, não é o chicote. Chicote qualquer um arranja, agora um avião é mais difícil. 

Ele ficou a olhar para ela, e depois deu um gole no vodka, tomou coragem e disse:

- Por acaso, estava a pensar num voos nocturnos. Uns loopings, e coisas assim...Gosto especialmente dos voos picados... À noite, são momentos espectaculares...

Ela olhou para ele, espantada. Abriu muito os olhos e perguntou:

- E espirais invertidas, sabes fazer?

Ele sorriu-lhe e disse, em voz mais cavada:

- Especialmente em voos rasantes...

No dia seguinte, quando ele saiu da casa dela, ia contente. Acertara em cheio na máscara, o Christian Grey fora infalível, tiro e queda. 

Já ela, quando acordou, não se lembrava de nada. 

publicado por Domingos Amaral às 10:52 | link do post