O sexo tem de ser barulhento?

Ontem à noite, tive uma estranha experiência sexual, tipo filme porno sem imagens, mas com som. Eu estava a dormir num hotel na Covilhã, e tudo se passou no quarto ao lado do meu.

Fui à região participar nuns encontros de escrita, com alunos das escolas da Guarda e da Covilhã, encontros esses que foram muito bem sucedidos.

À noite, já sozinho no quarto do meu hotel, e quando já passava bem da meia-noite e acabara de apagar as luzes, de repente, começo a ouvir estranhos barulhos no quarto ao lado... 

A princípio, eram apenas pancadas secas e soltas, como se alguém estivesse a arrastar móveis. Mas, aos poucos, as pancadas secas adquiriram um ritmo mais permanente, e logo a seguir comecei a ouvir gemidos de mulher. Sim, uma mulher soltava uns "ahn, ahn, ahn", e é evidente que se tornou claro para mim o que estava a acontecer. 

Alguém se estava a divertir, e a passar uns bons momentos! E não estavam com pressa! Ao fim de dois minutos eu já estava curioso para saber algumas coisas mais. Iriam os gritos durar quanto tempo? Quanto tempo demoraria a "ahn, ahn, ahn" a atingir o seu climax e a deixar-me adormecer em paz?

Além disso, outra dúvida surgira no meu espírito. Porque é que só a mulher é que gritava? Pelo barulho das pancadas ritmadas, (devia ser a cabeceira da cama a bater na parede), parecia-me óbvio que ela não estava sozinha, devia estar acompanhada por um homem. Mas, porque é que ele estava tão silencioso? 

Outra coisa que me intrigou foi que eles não falavam. Ela gemia e gritava "ahn, ahn, ahn", mas isso como sabemos é uma linguagem internacional que toda a gente conhece mas não é uma língua. Que nacionalidade tinham os sortudos? Seriam portugueses? Ou espanhóis? Na Covilhã estamos muito próximos das fronteira, e poderiam ter lá ido à serra!

Também era impossível determinar a idade. Os "ahn, ahn, ahn" da senhora não davam para entender se ela teria 20, 30 ou 40 anos, ou até mais. Os ruídos são semelhantes, qualquer que seja a idade. E como o sócio era silencioso, também não dava para perceber que idade teria. 

Mas, a coisa durava. Quatro minutos já e o "ahn, ahn, ahn" da senhora mantia-se, sempre no mesmo registo, nem alto nem baixo, nem acelerado nem a diminuir. Muito velhos não deviam ser, mas também não deviam ser muito jovens, pois esses costumam um bocado apressados!

Ao quinto minuto de "ahn,ahn, ahns" eu já estava a ficar um bocado farto daquilo...Será que isto nunca mais acaba? Será que não tem ponto alto? Onde estão as gritarias, os palavrões porcos, os "oh meu Deus!", e outras coisas do género que toda a gente vê nos filmes? 

De súbito, ouve-se finalmente o ronco do macho. Foi uma coisa rápida, um único "uuuuhh", que acabou quase imediatamente depois de ter começado, o que confirmou tratar-se mesmo de um exemplar silencioso. Mas, ao menos ele teve um pico.

Já ela, o que também me surpreendeu deveras, esteve mais de cinco minutos no "ahn, ahn, ahn" mas depois calou-se subitamente. Não houve sequer aquela aceleração típica que precede o orgasmo, nem ouve um aumento do volume, gritos mais altos, mais "AHN, AHN, AHN" e menos "ahn,ahn, ahn". Nada disso, a coisa perdeu velocidade e depois puf, acabou.  

Franzi o sobrolho. Isto não era o habitual. Normalmente, há uma explosão final, mas naquele caso não existiu. Foi bastante duradouro, quase seis minutos de gritos femininos, mas um bocado desapontante no fim. Quer dizer, nós estamos habituados a esperar que o sexo seja barulhento e que tenha um climax final, mas... 

O que se terão eles dito um ao outro a seguir? Foi bom, mas? Eu acho que faltou qualquer coisa, não me satisfez totalmente enquanto espetador sonoro. Uma pessoa habitua-se ao sexo mais barulhento, e depois uma coisa destas desaponta um pouco. Portanto, na escala de 0 a 20, decidi atribuir àquele casal apenas um 14. Sem gritos, aceleração e climax forte, não mereceram mais!

publicado por Domingos Amaral às 16:42 | link do post