Joana Vasconcelos, a portuguesa genial

Portugal não tem muitos génios. Somos poucos, e onde há pouca gente há poucos génios. Homens ou mulheres.

Mas, há alguns. Joana Vasconcelos é um génio, a melhor artista plástica que Portugal viu nascer em muitas décadas, quem sabe a melhor de sempre. As suas obras já são mundialmente aclamadas e reconhecidas, e expõe em todo o mundo, do Japão a Veneza, de São Paulo a Moscovo.

Agora, soube-se que a sua exposição recente em Versailles foi a mais visitada em Paris desde 1960. Foram 1 milhão e 600 mil os visitantes da nossa Joana, que entrou direta para o primeiro lugar do top das 5 exposições mais visitadas em Paris, que inclui por exemplo os nomes de dois pintores mundialmente famosos, como Claude Monet (está em 4º lugar) ou Dali (está em 5º).

Para além da sua extraordinária criatividade, há uma qualidade que eu aprecio particularmente em Joana Vasconcelos. Ela raramente fala. É muito raro dar entrevistas, e falar sobre si, sobre a sua arte ou sobre as questões do mundo.

Como é uma artista genial, Joana Vasconcelos não precisa de comunicar connosco através de palavras. A sua arte chega, e fala mais alto que qualquer frase que ela possa dizer.

É essa humildade verbal, esse apagar do ego e da visibilidade da artista, que catapulta ainda com mais força o valor da sua arte. Os génios são assim, não precisam de nos cansar com palavreado inútil, mas tocam-nos na alma com aquilo que nos mostram, e mudam, de um momento para o outro, a nossa percepção do mundo.

Obrigado por ser como é, Joana Vasconcelos.

publicado por Domingos Amaral às 17:16 | link do post