Já está tudo bem com os bancos?

Uma pessoa ouve as notícias e até tem dificuldade em perceber. Aparentemente, os bancos estão em grande, e as suas acções sobem vertiginosamente nas bolsas. Ao contrário de quase todos os outros negócios, parece que a alta finança não está a passar por crise nenhuma, o que não deixa de ser curioso.

Enquanto o PIB cai, o desemprego aumenta, os impostos sobem em flecha, as empresas têm quebras de faturação, e as despesas do Estado levam um corte, a banca funciona noutro mundo, e floresce, gloriosa e espetacular. Não tem crédito para dar a ninguém, mas está feliz.

Não é de estranhar. A banca apanhou um susto de morte, primeiro em 2009, e depois em 2011. Já poucos se devem lembrar, mas há cerca de dois anos, ou um ano e meio, os bancos privados portugueses estavam todos praticamente falidos. O BPN tinha implodido, o BPP também, o BCP estava um caco, a Caixa um farrapo, o Banif aos soluços e o BPI de joelhos. Por junto, safavam-se o BES e o Santander, que obviamente não é português e por isso tem uma segurança diferente.

O que aconteceu então? Bem, a Europa ajudou, através dos empréstimos do BCE, e a "troika" também. Podia não haver dinheiro para muita coisa, nem para pagar salários e pensões, mas para ajudar a banca havia sempre dinheiro.

Foram mais de 11 mil milhões de euros que o Estado português, financiado pela troika e pelo BCE, meteu na banca. Ajudas ao BPN, à Caixa, ao BCP, ao BPI e mais recentemente ao Banif. 

Com a mãozinha do Estado a segurá-la por baixo, confortavelmente à mama, a banca aguentou-se, e claro, começou a sair do buraco. Depois, mal a situação europeia desanuviou, não só saiu do buraco como se expandiu e já cresce, com alegria e pujança. Crise, qual crise? Na banca não há crise, nunca houve crise, e a crise dos outros que se lixe, que a nossa já passou!

Cortes na despesa do Estado? Isso é para os outros, para as escolas, os hospitais, as pensões, os subsídios, os funcionários públicos que têm de ser despedidos! Esses que aguentem a austeridade, como dizia o outro!

Agora, para a banca não há cá austeridade, nada disso! A banca é especial, precisa de ser protegida pelo Estado em formol, precisa de ser tratada com carinho e ternura, e ter muitas ajudinhas do Estado não vá algum banquinho aleijar-se, coitadinho. 

publicado por Domingos Amaral às 12:38 | link do post