Ser um homem inseguro é bom?

Não há característica masculina mais desprezada do que a insegurança. Ninguém gosta de homens inseguros. Nem os homens do tipo macho-alfa (dominadores e mulherengos), que acham que os inseguros são uns desatinados, com problemas no cérebro e provavelmente noutros locais. Nem as mulheres, as marotas ou as mais serenas, pois todas detestam homens que não saibam o que querem e que vivam angustiados. 

Os homens inseguros são como as bolotas, nem para comer servem. As mulheres fogem deles a sete pés, pois se a ideia é prazer, preferem os machos-alfa, e se a ideia é futuro nesse caso anseiam por segurança, e preferem a solidez de uma rocha à duvidosa consistência de uma bolota, que por fora parece escorregadia e por dentro misteriosamente enjoativa. 

Contudo, não há maior engano do que este. Ao contrário das convicções sociais do presente, a sociobiologia defende que ser inseguro é bom, além de ser inevitável. Pode ser uma chatice, para o próprio e para a sua mulher ou namorada, mas ser inseguro está na genética masculina. A insegurança do macho é a manifestação visível, embora desagradável, da sua preocupação com os filhos.

Os homens inseguros são-no porque querem garantir que os filhos são dele, e não de outro, normalmente um macho-alfa. Daí a vigilância, as perguntas permanentes, a ciumeira. Há milhões de anos que é assim e não vai mudar, mas é assim porque os homens nunca têm a certeza da sua eficácia como progenitores. Se o soubessem, seriam diferentes, e não chateavam ninguém. Mas como não sabem, mais vale andarem à coca, não vá um pirata qualquer conseguir seduzir a cara metade deles, engravidá-la e depois pirar-se, enquanto o desgraçado do marido alimenta os filhos pela vida fora.

Nós homens, fomos programados para ser inseguros, a nossa genética não permite outra coisa. Podemos fazer de conta, e uns são mais hábeis que outros a esconder essa fraqueza. Mas, lá bem no fundo, não há nenhum que não sinta uma campaínha de alarme a tocar quando vê a sua mulher a catrapiscar outro macho. E ainda bem. 

Até porque, cientificamente está provado que os homens inseguros produzem mais espermatozoides. Sim, é verdade. A insegurança é a alimentação de um gerador de potenciais bebés. Quando estão inseguros, os homens produzem mais esperma, tal é o receio de serem enganados. Um estudo científico provou que, quando as mulheres viajam muito, a produção de esperma dos maridos aumenta, para que quando ela chegue a casa eles a possam inundar com o seu líquido do amor. Isto é mesmo verdade, não fui eu que inventei. 

Portanto, a insegurança não devia ser desprezada, mas sim incentivada, em especial nesta época em que Portugal faz tão poucos filhos. Não tenham receio da insegurança, ela produz bebés! E muitos. Pode ser pouco "cool", e ser uma incómoda dor de cabeça para as mulheres, principalmente para as mais marotas, que gostam sempre de ter homens à roda. Mas, a verdade é que a insegurança masculina é um imperativo genético. Fazer de conta que ela não existe, pode ajudar a viver mais à vontade, mas não altera o essencial.

Assim, as mulheres devem escolher homens mais inseguros para casar e para procriar. Se quiserem só mandar umas quecas, qualquer macho serve. Mas, para andar anos a tratar dos rebentos, mais vale um inseguro na mão do que três ou quatro machos-alfa a voar!

publicado por Domingos Amaral às 10:55 | link do post