A Bruxa Má da Europa

Angela Merkel é a Bruxa Má da Europa. Como as bruxas más das histórias para crianças, tudo tem feito para ser odiada por todos os europeus, excepto os que ainda acreditam que ela não é uma bruxa má mas sim uma bela rainha, que são muitos dos alemães, mas não todos. Merkel consegue ser odiada na Grécia, na Irlanda, em Portugal, em Espanha, em Itália, no Reino Unido, e agora até começa a ser cada vez mais odiada em França, o que não deixa de ser preocupante para a Europa.

A única coisa que a Bruxa Má tem oferecido aos europeus não-alemães são palavras azedas, recusas de ajuda, moralismos rápidos, e muitas maçãs envenenadas. Desde 2009, tem sido ela o grande travão a uma Europa diferente. No início, lembro-me bem, chegou mesmo a recusar o "resgate" dos países em dificuldades, e a dizer que a Grécia talvez devesse sair do euro. A Bruxá Má foi porém obrigada a reconhecer que estava errada, e lá acabou por aceitar os resgates. Depois, não queria mecanismos europeus de ajuda financeira. Disse que não três vezes, mas à última da hora lá teve de os aceitar.

De seguida, a Bruxa Má não queria o Banco Central Europeu a comprar dívida dos países, para ajudar a baixar as taxas de juro. Recusou várias vezes, mas depois teve de aprovar. Agora, é a vez da "união bancária", aceitou-a a contragosto mas tenta sabotá-la e adiá-la o mais possível. A Bruxa Má não quer resolver a crise europeia, quer apenas fazer o mínimo possível para o euro não implodir, e de caminho ganhar as suas eleições em Setembro de 2013. É esse o seu único plano: resistir no poder, dizer que não, e os outros europeus que se lixem.

Como todas as bruxas más, esta também não resiste a dar-nos maçãs envenenadas. Desde 2009 decidiu que a única receita para a crise é a "austeridade". À bruta, se for preciso. O pior é que acha genuinamente que isso nos vai salvar! A maçã é luzidia, parece tão saborosa vista de fora! Mas, quando nos entra pelo estômago dentro, começa logo a largar o seu veneno, e rapidamente nos aniquila. E a Bruxa Má lá se vai embora, consciente que nos transformou em meras belas adormecidas, semi-mortas.

Assim, a Bruxa Má vai reinando, deixando a Europa cada vez mais sombria, abafada pelas crises, envenenada pelas maçãs que a Bruxa Má nos vai obrigando a engolir. Mas, como todas as bruxas más, esta também se esqueceu que se envenenar os povos, a alegria vai-se e o reino torna-se mais triste. O que nos vale é que, mais tarde ou mais cedo, vai aparecer um Princípe, e nesse dia o reinado de Merkel chegará ao fim. Quando um dia a Bruxa Má se olhar ao espelho e perguntar se há alguém mais belo do que ela, o espelho vai rachar-se em mil bocadinhos. 

publicado por Domingos Amaral às 12:41 | link do post