"Comer gajas" noutras línguas

Ainda sobre a expressão "comer gajas", parece-me interessante comparar o que dizem os homens e as mulheres noutras línguas que não a nossa. Os de língua inglesa - americanos, ingleses, irlandeses, australianos - usam normalmente a expressão "fuck". A tradução todos sabem qual é, e tem a virtude de ir direta ao assunto. Não há cá comes e bebes, é "fuck" e não se fala mais nisso. No entanto, nos últimos anos, o calão americano impôs também o verbo "bang". "I´ve banged her", que é uma forma mais violenta e militar, com o seu quê de explosivo, o que não deixa de ser engraçado, pois na literatura os orgasmos são muitas vezes comparados a explosões de prazer. Já na língua francesa, o termo mais utilizado é "coucher", que é uma maneira igualmente direta de apontar para a cama, embora nem sempre seja lá que as pessoas têm sexo. Quanto aos argentinos, usam a curiosa expressão "ganchar". "Ganchaste" alguém na Argentina?, perguntou-me uma vez um deles. A ideia pegou devido à semelhança entre o órgão masculino erecto e um gancho, e embora original, não deixa de ser ligeiramente arrepiante, com um vago sabor a Freddy Kruger. Por fim os brasileiros, que são mais poéticos, usam o "transar", que é uma mistura entre "transacionar" e "deitar", e que faz sentido se pensarmos que existe no sexo uma certa transação de sentimenos e líquidos e que normalmente se pratica deitado. Mas, os portugueses são os únicos que equiparam o sexo à alimentação. É como se o maior prazer deles fosse a comidinha. A gastronomia e a culinária atingiram por cá um estatudo inalcançável, e assim um prazer supostamente ainda mais forte como o sexo é transformado numa mera refeição, com garfo e faca, e se calhar guardanapo. 

publicado por Domingos Amaral às 12:34 | link do post