Privatizar a RTP (Episódio 1)

A proposta de concessionar um dos canais da RTP e extinguir o outro é um perfeito disparate, mas mais grave do que isso é quase um insulto a quem votou nos partidos da coligação, PSD ou CDS. No seu programa eleitoral, este governo prometeu privatizar um dos canais da RTP, ficando o outro em serviço público, o que não tem nada a ver com esta ideia mirabolante de "concessionar" a privados a RTP 1 e fazer desaparecer a RTP 2. "Concessionar" é pois uma quebra grave do ideal prometido. Além disso, esta proposta tem dois defeitos importantes que deviam levar o governo a enfiá-la numa gaveta, de onde nunca devia ter saído. O primeiro é que não é consensual. Nem os partidos da oposição - PS, PCP e Bloco - nem ao que parece o CDS, estão de acordo com ela, o que deveria merecer mais atenção do PSD, pois esta é uma das áreas em que não se devia mexer muito sem um consenso nacional alargado, mais do que não seja para que, uns anos depois e caso mude o poder político, não se volte a ter de mudar tudo, perdendo tempo e sobretudo dinheiro. O segundo defeito desta proposta é que parece feita à medida dos interesses dos privados e não do Estado. Assim, não se complica a vida dos dois privados já existentes - SIC e TVI - que obviamente resistem à ideia de ter um novo concorrente que lute por publicidade. E ao mesmo tempo, dá-se de bandeja ao "concessionário" um bolo fantástico de receitas que é a taxa que todos pagamos na conta da electricidade. No fundo, é uma espécie de PPP para a televisão, e provavelmente será mais um belo negócio que o Estado dá aos privados sem risco nenhum.    

publicado por Domingos Amaral às 10:56 | link do post