Bolt: campeão mas pouco

Usain Bolt venceu os 200m mas a mim não me convenceu. Sim, partiu muito forte e correu muito bem, mostrando ao mundo inteiro que era o melhor e merecia o ouro, mas aquela forma de cortar a meta foi tudo menos a de um grande campeão. A três passadas do fim, Bolt sabia que já tinha ganho e começou a travar e a olhar para trás, como que gozando com a distância a que tinha deixado o seu compatriota Blake, dando um exemplo de desprezo pelo seu adversário directo, a quem aliás humilhou ao passar na meta, virando-se para ele e colocando o dedo na boca, como que a dizer "caladinho, que eu sou o maior". Foi um péssimo exemplo, a negação da atitute olímpica, pois ao fazer isto Bolt perdeu igualmente a possibilidade de bater o recorde olímpico e mesmo talvez o recorde do mundo, esquecendo-se que estava ali para correr e não para teatralizar uma desforra fútil. De um vencedor olímpico espera-se que seja magnânimo, honrado e respeitador dos que acabou de vencer e não que os despreze e subjugue em cima da meta. Bolt pode ser um grande atleta mas não é um grande campeão, e não é certamente um cavalheiro. É um vencedor com valor mas sem valores.

publicado por Domingos Amaral às 12:31 | link do post