Os olímpicos

Não percebo os portugueses. Para existir uma desilusão é preciso existir primeiro uma ilusão e desde quando é que nós tivemos alguma ilusão em relação aos Jogos Olímpicos? Desde que eu me conheço, ou seja desde 1972, que foi a primeira vez que prestei atenção aos Jogos Olímpicos, que Portugal, enquanto país, não risca nada nas Olimpíadas. De quatro e quatro anos, lá vem a mesma treta do costume, com os resultados a serem apresentados como "falhanços", e a auto-estima do país a ser deprimida intencionalmente. Mas que vem a ser isto? Alguma vez algum português no seu juízo perfeito acha que Portugal pode ganhar várias medalhas? Só porque, uma vez ou outra, tivemos alguns atletas excepcionais que conseguiram chegar ao ouro, como Carlos Lopes, Rosa Mota, Fernanda Ribeiro ou Nelson Évora, agora estamos armados em ambiciosos, a salivar por medalhas e a tratar mal quem não as consegue? Isto é um absoluto disparate e é mesmo um pouco doentio. Portugal nunca foi, nem nunca será, uma potência olímpica em nenhum desporto, e só um país neurótico é que fica à espera do impossível e depois se zanga por ele não acontecer. Além de que, que eu saiba não somos só nós. Que eu tenha dado conta ainda não vi grandes feitos da Bélgica, da Suíça, da Áustria ou da Holanda, isto só para falar em países mais ou menos da nossa dimensão, apesar de serem mais ricos. Se calhar também estão todos a choramingar e a chicotear-se nas costas, em auto-flagelação... 

publicado por Domingos Amaral às 18:37 | link do post